#184

1 Ora, em toda a terra havia apenas uma linguagem e uma só maneira de falar.
2 Sucedeu que, partindo eles do Oriente, deram com uma planície na terra de Sinar; e habitaram ali.
3 E disseram uns aos outros: Vinde, façamos tijolos e queimemo-los bem. Os tijolos serviram-lhes de pedra, e o betume, de argamassa.
4 Disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo tope chegue até aos céus e tornemos célebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra.
5 Então, desceu o SENHOR para ver a cidade e a torre, que os filhos dos homens edificavam;
6 e o SENHOR disse: Eis que o povo é um, e todos têm a mesma linguagem. Isto é apenas o começo; agora não haverá restrição para tudo que intentam fazer.
7 Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que um não entenda a linguagem de outro.
8 Destarte, o SENHOR os dispersou dali pela superfície da terra; e cessaram de edificar a cidade.
9 Chamou-se-lhe, por isso, o nome de Babel, porque ali confundiu o SENHOR a linguagem de toda a terra e dali o SENHOR os dispersou por toda a superfície dela.
(Gênesis 11:1-9)

 

A narrativa de Gênesis 11:1-9, que conta o episódio referente à torre de Babel, apresenta algumas curiosidades.

 

Primeira coisa importante: Babel e Babilônia são a mesma coisa. São apenas versões lingüísticas distintas em línguas diferentes, do mesmo modo que Genéve (francês), Genebra (português) e Genf (alemão) são maneiras diferentes de se referir a uma mesma cidade. Não se sabe ao certo porque nas nossas traduções da Bíblia versão do hebraico Babel foi mantida neste lugar.  Mas todas as vezes em que nas nossas traduções aparece “Babilônia”, na Bíblia Hebraica aparece “Babel”. Ou seja: O texto está tratando, sim, da fundação da cidade de Babilônia. 

 

Segunda coisa interessante: onde está escrito “partindo eles do oriente” na Almeida Revista e Atualizada (ARA) no verso 2, outras traduções usam “partindo eles para o oriente”. Há muito debate aqui com respeito ao sentido em que estavam caminhando. Não é uma tradução óbvia ou fácil, mas, particularmente, prefiro que eles estavam caminhando PARA o oriente. A questão do “oriente” já apareceu duas vezes nos primeiros capítulos de Gênesis. 

 

Em Gênesis 3:22-24 lemos: “Então, disse o SENHOR Deus: Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecedor do bem e do mal; assim, que não estenda a mão, e tome também da árvore da vida, e coma, e viva eternamente. O SENHOR Deus, por isso, o lançou fora do jardim do Éden, a fim de lavrar a terra de que fora tomado. E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden e o refulgir de uma espada que se revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida.” Se DEUS pôs os querubins ao oriente do jardim, é porque, caso Adão e Eva (ou seus descendentes) tentassem entrar no jardim pra “tomar da árvore da vida”, eles viriam do oriente; ou seja: eles se dirigiram para o oriente.

 

Além da questão do oriente, podemos enxergar aqui um paralelo entre Gênesis 3:22 e Gênesis 11:6; DEUS, receoso do que o ser humano poderia fazer, caso vivesse para sempre, os expulsa do jardim e protege a árvore; e DEUS, receoso do que o ser humano poderia vir a fazer, restringe a liberdade do mesmo “confundindo sua língua”.

 

Outro lugar em que o oriente já apareceu é Gênesis 4:15-17: “O SENHOR, porém, lhe disse: Assim, qualquer que matar a Caim será vingado sete vezes. E pôs o SENHOR um sinal em Caim para que o não ferisse de morte quem quer que o encontrasse. Retirou-se Caim da presença do SENHOR e habitou na terra de Node, ao oriente do Éden. E coabitou Caim com sua mulher; ela concebeu e deu à luz a Enoque. Caim edificou uma cidade e lhe chamou Enoque, o nome de seu filho.”

 

Temos um paralelo duplo aqui: não apenas foi Caim para o oriente, como ali também construiu uma cidade. 

 

De acordo com o narrador bíblico, quem que os pós-diluvianos estão imitando? Adão e Eva depois da queda. E Caim, depois do primeiro assassinato. O paralelo mais forte, no entanto, é com Caim, porque além de se locomoverem para o oriente, estão construindo uma cidade.

 

O primeiro personagem da Bíblia a se locomover do orienta para o ocidente é Abraão. E com ele se inicia uma nova narrativa, em Gênesis 12.