#152

Outro componente essencial do estudo da narrativa bíblica é sua estrutura. A maioria das narrativas aparece estruturada com os seguintes elementos[1]: (a) resumo; (b) orientação; (c) ação complicadora; (d) avaliação; (e) resolução; e (f) coda. No livro de Rute, por exemplo, a narrativa se inicia com algumas frases que resumem toda a história. Estas frases servem para apresentar, de forma condensada, a respeito de que a história trata. Aparentemente, não vemos isso no livro de Rute, mas “Depois dessas coisa, pôs DEUS Abraão à prova […]” (Gênesis 22:1) é um exemplo. A orientação é onde tempo, lugar, e pessoas da narrativa são identificados. No início do livro de Rute encontramos este tipo de orientação: “Nos dias em que julgavam os juízes […]”(Rute 1:1). Apesar de, para leitores modernos, esta introdução possa parecer um indicativo de que a intenção do livro é ser histórica, na verdade, isto está unicamente colocando a história em um contexto temporal. Deste modo, o narrador se distancia da história e conduz o leitor à estrutura temporal em que a história ocorreu. Apontar exatamente em que momento na história dos juízes isto aconteceu é uma preocupação moderna. Na história não vemos indicações de uma data precisa. Outro exemplo como “[…] saiu a habitar na terra de Moabe” (Rute 1:1) também poderia ser destacado. Em seguida, a ação complicadora é o coração da narrativa. Ela narra o que aconteceu e quando aconteceu. Aqui, a sequência temporal dos eventos se torna importante. Normalmente alguns marcadores aparecem para indicar que a ação está iniciando. Este marcador pode ser um indicador temporal (específico [Ester 1:3] ou geral [Juizes 11:4]), ou...

#151

Dentre os principais componentes de qualquer narrativa, está a composição de seus personagens. Este fenômeno de caracterização não é diferente no texto bíblico.   Para E. M. Forster, os personagens podem ser distinguidos entre os planos e os completos.[1] Os planos são construídos em torno de uma ideia ou um único conceito, sendo que normalmente não apresentam aspectos de sua vida íntima; os completos, por outro lado, são complexos, auto-conscientes, capazes de desenvolvimento e mudança.   No livro de Rute, Noemi, Rute e Boaz configuram tipo de personagens completos retratados de maneira profunda e complexa através de suas ações, discursos e reações. Qualquer história está, ainda, repleta de personagens que funcionam como agentes para que os personagem maiores/completos se desenvolvam na narrativa. Estes personagens secundários não são importantes em si mesmos, mas, sim, na medida em que auxiliam no desenrolar do enredo. Orfa e o potencial resgatador provavelmente sejam os agentes mais importantes, afinal, servem como contraste com Rute e Boaz ao escolherem exatamente o oposto quando confrontados pela mesma opção de escolha.   Obviamente, a caracterização no texto bíblico é muito mais profunda e rica do que esta simples categorização flexível. Contudo, simplesmente a disposição em considerar a análise dos personagens (e sua caracterização) nas histórias bíblicas, por si só, já é capaz de enriquecer a leitura de qualquer um que se aproxima do texto.   Por exemplo, apesar de ser o livro de Rute, Noemi parece ser a personagem principal. Todos os outros personagens aparecem em relação à ela. Somente em Rute 1:2 Noemi é nomeada em relação ao seu marido, Elimeleque, o que é revertido logo...

#150

A narrativa[1] é a forma predominante de exposição de idéias na Bíblia Hebraica (BH). A BH tem uma história a contar, e, para contá-la adequadamente, faz uso de todo um arsenal de recursos da arte narrativa hebraica: enredo, caracterização, repetição, descrição física, dentre outros. Além disso, bem mais que a metade do Novo Testamento é composta por narrativas encontradas nos quatro evangelhos e em Atos dos Apóstolos. Isso, porque a forma discursiva predominante empregada para transmitir questões de suprema importância no antigo Israel e no judaísmo do 1º século era, justamente, a narrativa. Foi precisamente isso que o próprio Cristo fez em Suas parábolas, simplesmente dando continuidade à tradição já estabelecida na BH, que explorava o poder das histórias. Este é o tipo de Bíblia que DEUS achou por bem nos dar. Se quisermos ser coerentes com esse tipo de Bíblia, portanto, precisamos lê-la de tal forma que se faça justiça a suas histórias. Como o próprio Laurence Turner afirma, ao invés de apresentar um compêndio com uma série de doutrinas descritas de maneira abstrata, quando Cristo quis ensinar algo sobre salvação, ele disse: “Certo homem tinha dois filhos […]” (Lucas 15:11). E, como vemos através deste recurso, diferentemente da abstração doutrinária que apenas muito dificilmente se pode reproduzir mentalmente, qualquer pessoa consegue repetir a narrativa contada por Jesus depois de ouvi-la apenas uma vez, não importa seu nível social ou cultural. De acordo com Adele Berlin[2], ironicamente, embora contar histórias seja tão importante na tradição bíblica, não há na BH uma palavra para história. Vemos palavras para cânticos, oráculos, hinos, e parábolas. Contudo, não há uma palavra para...

#149

“Aqueles que pensam que há distinção entre santidade e riso, são intelectualmente constipados” – Robert Alper [1]   Em um trecho do romance O nome da Rosa, Umberto Eco explora uma temática interessante: a relação entre o humor e religião, ou, talvez, humor e santidade. Tal temática aparece através de dois monges (Jorge de Burgos e Guilherme de Baskerville) que debatem se Jesus riu ou não riu quando esteve na terra. Para Jorge de Burgos o riso é fonte de dúvida, desta forma, não pode ser livremente permitido como meio de lidar com a realidade. Diferente da perspectiva do monge de Burgos, a Bíblia parece trazer muitas situações de humor e riso. Isso se dá não somente através de situações cômicas, como também através de descrições que utilizam do humor. Distante de discursos preocupados em condenar gêneros literários e demonizar a relação da cultura com as Escrituras, o escritor bíblico, da mesma forma que utiliza-se da novela e da tragédia para compor seu livro, faz uso também da comédia. Um exemplo pode ser visto na história contada em 2 Reis 6:8-23.   Esta narrativa é contada em 5 estágios: 1o estágio (versos 8-11) – Há informação vaga de que os Sírios estão fazendo guerra contra Israel e acampando em tal e tal lugar. Esta informação apresenta Eliseu na história, que informa ao rei de Israel quais são estes tais e tais lugares. Somente Eliseu sabe quais são os tais e tais lugares. Um toque de humor entra na narrativa quando o rei da Síria, furioso com seus planos sendo frustrados, acusa um dos seus de traição. Isso prepara o...

#148

“Quando pessoas o suficiente fizerem falsas promessas, palavras deixam de ter significado. E então não haverá mais respostas; apenas mentiras melhores.” Jon Snow   A segunda tentação de Jesus no deserto é narrada por Mateus no capítulo 4 da seguinte maneira: “Então o diabo o transportou à cidade santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra. Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus.” Matheus 4:5-7   Após uma primeira tentativa desastrosa de tentar fazer com que transformasse pedras em pães, o diabo conduz Jesus para o pináculo do templo. Sabendo que este havia acabado de citar o texto de Deuteronômio 8:3 como base para não realizar um milagre em favor próprio, o inimigo decide usar textos bíblicos para tentar Jesus, citando Salmo 91 para justificar seu pedido. Salmo 91 começa da seguinte forma: “Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei. Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa.” Salmos 91:1-3   A ironia aqui é clara. O diabo usa um texto que diz respeito à confiança em DEUS, para colocar Jesus a prova, exatamente no quesito de “confiança em DEUS”. Ele usa um texto que reforça a confiança em DEUS, para fazer com que Jesus desconfiasse em DEUS. Brilhante. Mas Jesus...